Nerd Pai D'égua

Amigos Nerds de Belém que gostam muito de várias coisas

Metroid Other M – O Retorno de uma Lenda

Samus esta de volta

Fala galera, para começar com esse review tenho que deixar bem claro os critérios que utilizo para que seja algo bem imparcial, ou seja, extremamente técnico sem colocar minha opinião em cima do jogo. Os critérios são: Gráficos, Roteiro, Gameplay e Áudio. No fim do review teremos uma média e ai depois é com vocês de jogar ou não essa bagaça.

Bom, como qualquer fã de jogo no estilo plataforma, já estava pirando para colocar novamente as mãos em Samus Aran, OPAAAAA!!!! Ahn, ahn, voltando ao assunto, Cronologicamente o jogo se passa logo depois de um dos melhores jogos para Super Nintendo, o Super Metroid e explora o tempo em que Samus esteve alistada na Federação Galáctica e logo depois saiu para se tornar uma caçadora de recompensas.

Não sei quantos já leram os mangás gratuitos liberados pela editora Kodansha, mas desde criança, Samus foi treinada pelos Chozo para ser uma guerreira, criaturas responsáveis tanto pela armadura de Samus quanto pela criação dos famigerados Metroids. Muitos devem estar se perguntando agora: “Pra que esse retardado ta lembrando disso?”, para tudo existe uma resposta e isso serve para lembrarmos que Samus não deve ter nem 30 anos mas que um monte de mané reclamou que sua voz, que pela primeira vez foi ouvida por todos, parece de uma jovem e não de uma mulher adulta, só que ela não é uma mulher adulta e sim uma adolescente.

Outra coisa que criticaram foi quanto Samus estar mais submissa e a história ser toda narrada por ela. Eu não entendo mas parece que nínguém jogou o Metroid Fusion, onde Samus narra toda a história, obviamente sem uma voz e que é completamente submissa ao comandante da Federação Galáctica. Terminadas as considerações que muitos manés se esqueceram de lembrar quando fizeram o review deste jogo, vamos ao que interessa.

Roteiro
O roteiro de Other M possui conexões com seu antecessor e com seu sucessor, Metroid Fusion, muito bem feitas eelaboradas mas a história deste jogo é mediana com muitos altos e baixos e extremamente previsível para qualquer pessoa que goste um pouquinho de cinema, quadrinho, literatura e se além de tudo isso ainda jogar ai que fica

previsível mesmo. Contudo,  a história consegue sustentar o jogo pois quando o passado de Samus da o ar de sua graça o jogo ganha solidez e garante sua continuidade. Não da para falar muito sobre a história se não vai ser um grande spoiler na certa então é melhor jogarem mas no geral é isso e a nota para esse quesito fica em 7 de 10.

Gráficos
Para o Wii os gráficos estão excelentes mesmo com um monte de mané dizendo que queria que as texturas tivessem uma resolução maior mas que não entendem que se a resolução fosse maior, não daria para colocar os normal maps (Google ai galera) para deixar o jogo mais detalhado e sem carregar na quantidade de polígonos (de novo Google) para que o jogo continuasse leve e rápido. As cinemáticas estão impressionantes e as transições delas para o jogo ficaram perfeitas. Sem falar nastransições entre os modos de jogo, quando vocês ta em 3ª pessoa e muda para primeira ou passa para a Shoulder Cam (câmera nos ombros a la Gears of War), os elementos não perdem detalhe e nem velocidade, ficou incrível o que é resultado do uso de  um excelente alorítmo de LOD (Level of Detail, GOOGLE!) pela Team Ninja, Desenvolvedora do jogo. Contudo, como nada é perfeito, o wii não possui um bom anti-aliasing (Haja Google mano) e o jogo acaba ficando muito serrilhado e nem mesmo com um bom mipmapping (opa de novo google ai) para as texturas o jogo se salva disso. No geral os gráficos merecem uma nota 8 de 10.

Esta é a qualidade das CGS do jogo

Gameplay
O jogo é uma mistura de tudo que a galera já teve de experiência com Samus, que vai desde o estilo plataforma, passando pela primeira pessoa, com a novidade da camêra nos ombros, que so acontece em lugares fechados, e do adventure estilo Zelda pós Ocarina of Time e outros. A mira de samus em 3ª pessoa é automática o que facilita bastante para eliminar os monstros e outros obstáculos e na primeira pessoa você pode também detonar a galera porque a mira ta excelente, pode usar os mísseis, identificar itens e objetos ou qualquer coisa importante para o desenrolar da história.
Muitas vezes, você tem que alternar entre as duas visões para detonar monstros e passar de certos pontos e isto pode ser feito sem nenhuma dificuldade ao contrário do que muitos disseram por ai. Só o que tenho a dizer para essas pessoas é que infelizmente vocês não possuem coorrdenação motora logo, sentem dificuldade neste ponto.
Outra adição ao jogo foi o Killing Move onde, caso o monstro esteja caído, você pode aproximar Samus para que ela arrebente com o indivíduo com classe e estilo. Além desse movimento, Samus também pode se esquivar de qualquer coisa fazendo acrobácias quando você aperta o direcional no momento certo.

ShoulderCam, Terceira pessoa, Plataforma, MorphBall e Primeira pessoa

Uma das caraterísticas do jogo que foi cortada pela metade foi a busca do jogador pelos upgrades da armadura de Samus pois agora ela precisa de uma permissão para utilizar uma determinada arma. Isto no ponto de vista de jogo, é uma perda pois uma das graças do jogo era conseguir todos os upgrades e se gabar no final mas no ponto de vista da coerência, é mais verossímil desta forma do que achar um Charge Beam ou Ice Beam que sirvam direitinho numa armadura única jogados por ai. Porém a busca por mais barras de vida e maior quantidade de mísseis continua e isso acaba dando um gás maior ao jogo.
A dificuldade não esta tão absurda para quem já terminou God of War no Titan ou o Ninja Gaiden Sigma no hard mas para jogadores de fim de semana está pauleira e pode garantir uma quantidade considerável de continues. Para quem gosta de jogar o controle longe e xingar todo mundo que criou o jogo, basta termina-lo uma

Character Concept de Samus

vez para jogar no nível mais difícil onde você contará somente com 10 mísseis e uma barra de life e mais nenhum upgrade para ambos. Infelizmente, mesmo com tudo isso, o replay do jogo é zero porque terminar o jogo em 100% é fácil e o que você recebe em troca é apenas uma galeria de imagens de produção e as cenas do jogo organizadas como se fossem um filme, intercalando algumas cenas do jogo com as Cutscenes. Tudo é bacana, mas como é fácil de conseguir você não vai perder tanto tempo nisso e vai acabar ficando com gosto de quero mais e por este motivo o jogo recebe uma nota 8 de 10.

Áudio
O áudio deste jogo da série esta impecável, todos os sons foram refeitos e melhorados. A trilha sonora é a mesma clássica que nós todos conhecemos mais algumas novas para a saga e a ambientação esta perfeita, passando suspense e ação na dose exata para quem tá jogando. Além disso, a qualidade do som ficou impecável o que é uma pena não poderem ter forçado um pouco mais caso fosse um console com um poder um pouco mais elevado. Enfim o áudio merece uma nota 10 de 10.

Finalizando, o jogo ficou muito bom mas que acaba deixando todo mundo com um gosto de quero mais muito forte e que acaba não sustentando isso devido sua taxa zero de replay. Espero que lancem mais um jogo do Metroid neste mesmo estilo para o Wii o mais breve possível e bem mais longo que esse. A nota final para este novo Metroid ficou em 8,3.

É isso ae galera e até o próximo review que espero será de Castlevania: Lords of Shadow

Uma resposta para “Metroid Other M – O Retorno de uma Lenda

  1. ingridkiki 23/10/2012 às 15:52

    Esta na minha lista para jogar algum dia. hehehe. Bom review. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: